Brasil, ataques racistas contra migrantes venezuelanos

“Os ataques racistas contra migrantes venezuelanos em Roraima, Brasil, exigem atenção especial das instituições e da comunidade internacional. Toda fronteira do mundo, de fato, está se transformando em um lugar delicado onde, em vez de confronto e aceitação, o ódio interétnico quer ser mestre “.

Isto é dito pela Irmã Neusa de Fátima Mariano, superiora geral das Irmãs Missionárias Scalabrinianas, uma Congregação que desde a sua fundação lida com acolher migrantes.

“Em 8 de fevereiro, um ataque incendiário atingiu uma família venezuelana, incluindo um menino de 4 anos de idade”, acrescentou. “Parece uma história parecida que aconteceu alguns dias antes em Boa Vista. Nos últimos meses, muitas famílias venezuelanas estão tentando escapar de uma dura crise política, econômica e humanitária. A resposta das instituições brasileiras ainda não é suficiente e os temores são infundados na comunidade de Roraima, a cidade fronteiriça onde eles vêm pedir ajuda. Precisamos de intervenções coordenadas relacionadas à integração e análise das maiores vulnerabilidades, bem como aceitar a exortação do Papa Francisco a não ter medo, abrir-se ao outro, refinar o olhar que me faz ver o outro não como um invasor, mas como uma pessoa “.

Várias comunidades (das acadêmicas, à Caritas, às pastorais) assinaram um documento em que repudiam esses atos xenófobos. Entre eles, o Instituto de Migrações e Direitos Humanos, das freiras scalabrinianas com sede em Brasília.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *