Celebração da festa do fundador, o bem-aventurado João Batista Scalabrini

Roma, 1° de junho de 2019
Prot. nº 834/2019
Assunto: Celebração da festa do fundador, o bem-aventurado João Batista Scalabrini

Estimadas Irmãs, formandas, leigos missionários scalabrinianos e amigos

A celebração da festa do fundador, o bem-aventurado João Batista Scalabrini, neste ano se reveste de um significado ainda maior, pois estamos ao ritmo da reorganização interna da Congregação e temos a graça de vivê-la também à luz do tema do XIV Capítulo Geral: “Caminha humildemente com o teu Deus” (Mq 6, 8); tudo isso nos motiva a um caminho de renovação interior do nosso ser consagrado e, ao mesmo tempo, nos dá uma nova força espiritual, uma nova coragem e impulso missionário, cujo objetivo deste caminho é marcada pela ação do Espírito Santo. Novas fronteiras se abrem diante de nós, novas realidades, outras culturas, diferentes necessidades, periferias, novos desafios para encarnar o carisma scalabriniano, neste tempo de mudança.

Na medida em que refletimos sobre a visão que Scalabrini tinha da emigração e sobre a situação atual do mundo, percebemos o quanto atual era a sua compreensão e atuação pastoral e, também, quão profunda foi a sua espiritualidade e a sua incidência no contexto em que ele viveu.

Podemos dizer que o bem-aventurado João Batista Scalabrini era um homem de uma intensa vida de fé e de amor a Deus, alimentava uma espiritualidade eclesial: ele acreditava, esperava e amava. A herança que recebemos do fundador, Scalabrini, é a missão com os migrantes, um carisma atual para o nosso tempo e, por isto, encorajo-as a fazer tesouro deste dom recebido que se expressa na vivência diária da vocação scalabriniana, a qual é alimentada pela renovação de uma vida espiritual que projeta a vida religiosa scalabriniana em direção aos irmãos e irmãs em mobilidade.

Para nós, não é suficiente conhecer algumas ideias ou fatos da vida do bem-aventurado Scalabrini porque ele é muito mais do que uma página de história ou uma figura exemplar para o seu tempo: ele transcende a sua época. Caminhou humildemente, fazendo da humildade um estilo de vida, deixando-se interpelar e interrogar-se pela humanidade migrante porque era persuadido de que Deus age na história com eles e através deles.

A história dos povos é assinalada pelo fenômeno da migração e nós, hoje, seguindo os passos do fundador, temos a oportunidade, também através do Serviço Itinerante que estamos vivendo e operando em realidades diversas da Congregação, de ir ao encontro dos migrantes, potencializando a itinerância na vida da Irmã MSCS, sendo presença solidária e profética no mundo da mobilidade humana, ajudando, assim, a sociedade, a Igreja, as nossas comunidades religiosas a recolocar no centro a pessoa humana com a sua dignidade única, acolhendo o envio de anunciar o amor universal do Pai.

Portanto, caminhar humildemente com o Senhor como o viveu o bem-aventurado Scalabrini significa viver a nossa peregrinação terrena como “uma constante emigração, saindo de nós mesmos em direção ao outro, para partilhar com ele o pão da nossa vida de batizados e de consagrados, para lavar com humildade os pés do viandante, para perfumar o hóspede inesperado com o nardo precioso, para parar e olhar com olhos de amor os peregrinos feridos ou ofendidos na própria dignidade, tratando-os com ternura e com a determinação de Jesus, o bom Samaritano”.

Estimadas Irmãs, formandas, leigos missionários scalabrinianos, sintamo-nos encorajados a assumir a herança recebida do fundador, o bem-aventurado João Batista Scalabrini: radicalidade do seu pensar, falar e agir a favor dos migrantes.

Também hoje, graças a este grande modelo de Scalabrini, sentimo-nos chamados a fazer florescer novamente a criatividade scalabriniana aos migrantes e refugiados que nem sempre encontram respostas às suas necessidades e às suas feridas, e pela sua intercessão possamos acompanhá-los na busca de melhores condições de vida onde fé, cultura e vida se entrelaçam.

Em unidade com as conselheiras gerais e com a secretária geral, desejo a todas e a todos uma alegre festa do fundador, de modo que possamos vivê-la em comunhão de missão e de oração por todos os migrantes, verdadeiros portadores de novos tempos e “construtores ocultos e providenciais da fraternidade universal”.

Ir. Neusa de Fátima Mariano, mscs
Superiora Generale

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *