CSEM completa 30 anos de fundação

CSEM completa 30 anos de fundação, reformulasua identidade visual e lança novo site institucional

O Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios – CSEM, com sede em Brasília, completa 30 anos de trajetória em 2018!

Em comemoração à data, o CSEM reformulou sua identidade visual por meio de um redesign que manteve a essência, mas trouxe um toque de modernidade às cores, aos traços e aos elementos principais da marca.

Com uma ótica interdisciplinar e intercultural, a marca busca transmitir acolhimento e abertura ao próximo, destacando a mobilidade humana diversificada, complexa e multiforme. A marca promove o desenho do mundo como um símbolo internacional, exibindo elementos humanos das mais variadas raças, classes, idades, sexo. Prioritários no centro do mundo, destaca a amplitude e a união de pessoas de diferentes nacionalidades. O desenho reflete um estilo simples e minimalista, facilitando a aplicação da marca nas mídias impressas e digitais.

O Centro lança também um portal totalmente novo, dinâmico e adaptado para os diversos dispositivos móveis. Essas ações visam fortalecer a missão do CSEM de “fomentar, produzir e disseminar conhecimentos científicos e interdisciplinares sobre as migrações em uma perspectiva de respeito e promoção profética da dignidade humana, rumo a um mundo mais justo, onde ninguém é estrangeiro”.

 

Acesse www.csem.org.br!

Presença MSCS em Ho Chi Minh City, Vietnam

A Delegação na Ásia das MSCS, no dia 03 de agosto de 2018, enviou as suas duas primeiras missionárias, Ir. Teresa Villoso Mercado e Ir. Eufrocina Zabate Sumampong, a Ho Chi Minh City, no Vietnam; a abertura oficial da primeira comunidade MSCS naquele país foi no dia 06 de agosto; neste dia, as duas Irmãs foram recebidas e se instalaram em sua residência.

Este é um presente da Divina Providência, uma oportunidade para ampliar a missão e a aumentar as vocações na Ásia.

Contexto

A cidade de Ho Chi Minh City, comumente conhecida como Saigon, é uma cidade situada ao sul do Vietnam. É reconhecida pelo papel crucial que desempenhou na guerra do Vietnam. No período sucessivo ao final da guerra do Vietnam, a imigração vietnamita viu muitos refugiados e outros migrantes acolhidos, em grande parte, pelos países ocidentais e limítrofes do sudeste asiático por motivos humanitários; com estes, incluem, também, os fluxos migratórios de estudantes e trabalhadores enviados aos países aliados comunistas do Vietnam. Embora a guerra e o conflito impeliram a maior parte das migrações vietnamitas na segunda metade do século XX, o rápido crescimento econômico do Vietnam promoveu a migração de e em direção ao país. Hoje, enquanto as cidades do Vietnam rapidamente se modernizam, o número de migrantes que chegam ao país é surpreendente. As estimativas dizem que, em Ho Chi Minh City, o número de migrantes é quase 30% da população.

O Vietnam é o quinto país católico da Ásia, em seguida às Filipinas, Índia, China e Indonésia. Após a abertura política do país no final dos anos oitenta, um grande número de congregações religiosas de origem europeia chegaram ao Vietnam, abrindo comunidades. Isso aconteceu, em particular, em Ho Chi Minh City (ao sul) e Vinh (ao norte), as quais são as duas dioceses onde têm a maior população católica. Muitos jovens vietnamitas de famílias católicas, abraçam com entusiasmo a vida religiosa, atraídos, particularmente, pelas congregações apostólicas e, em menor número, pelos institutos de vida contemplativa.

As direções gerais dos três institutos da Família Scalabriniana: abri as portas ao irmão

As direções gerais dos três institutos da Família Scalabriniana, os Padres Missionários Scalabrinianos, as Irmãs Missionárias Scalabrinianas e as Missionárias Seculares Scalabrinianas se reuniram de 1- 3 de julho e concluíram o encontro com este comunicado:

A emigração é um fenômeno de época que está abalando as estruturas em todas as nações amplamente. É certamente um problema que nasce da sma de tantos outros problemas. Mas como todos os problemas depende de nós transformá-lo em uma tragédia ou em uma riqueza.

A história dos povos é feita de grandes ondas migratórias, e nós hoje, temos a chance de viver uma destas, com a vantagem de poder ler em âmbito mundial as causas e os efeitos e, também, obter um excedente de humanidade.

Devemos nos tornar os autores de um progresso da consciência da dignidade humana própria de cada homem, podemos contribuir com a recomposição de um quadro geral no qual a ecologia humana faça parte da ecologia da natureza.

Acreditamos que cada vez mais se tornam atuais  os quatro verbos com os quais o Papa Francisco, no Dia Mundial do Migrante deste ano, pediu aos povos e nações para abordar a questão dos migrantes: acolher, proteger, promover, integrar.Há um grande obstáculo nesta estrada, que é o medo, medo de perder o próprio bem-estar, medo de perder a própria identidade, medo do outro.Se trata de um sentimento profundo que deve ser ouvido, mas para ajudar a superá-lo: o medo leva ao fechamento e o fechamento leva à morte.

Muitos meios de comunicação e muitas mídias reforçam  esse medo, ampliando os fatos negativos e ignorando completamente as boas práticas de recepção e integração que surgem em quase todos os lugares, especialmente do trabalho voluntário.

Se queremos perseguir a estrada da felicidade, que é a estrada que busca cada coração humano, devemos perseguir a estrada da fraternidade, renovando e atualizando o apelo com o qual São joão Paulo II abriu o seu pontificado: “Abri as portas a Cristo”. Hoje somos chamados a repetir o mesmo grito: abri as portas ao irmão.

Em San Paolo, encontro sobre reforma e novas necessidades de migrantes

De Rosinha Martins
Da Aparecida -SP

A crescente mobilidade dos seres humanos em todo o mundo levou a uma atitude radical Scalabrini Missionários de reforma dentro da Ordem para melhor atender às necessidades de migração de endereço e abrigo. As alterações entrarão em vigor em dezembro deste ano. A fim de continuar este processo, as Irmãs Scalabrinianas da Província de São Paulo encontrou no Centro Profissional São Carlos, na cidade de Aparecida-SP. O evento começou na tarde deste sábado dia 10 e terminou no dia 12.

De acordo com um relatório apresentado pelo chefe da missão da Província da irmã de St. Paul Janet Ferreira (Organização Internacional para as Migrações), América do Sul contém cerca de 5.826.400 imigrantes aqui para geográfica, ambiental, política e ditada pela crise atividade econômica global. os dados também revelam uma feminização da migração, uma vez que 50,9% dos deslocados são mulheres, seguido por 17,7% dos jovens com menos de 20 anos de idade e 16,5% daqueles com mais de 65 anos.

Os países da América Latina que receberam o maior número de migrantes são a Argentina, com 2 milhões, a Venezuela, 1,4 milhão, e o Brasil, com 713 mil emigrantes. Estes são de Haiti, Cuba, Venezuela, Equador, países africanos (Senegal, Congo, Angola, Moçambique, Nigéria, entre outros), Ásia do Sul e Sudeste (Bangladesh, Paquistão, Filipinas, Índia, Nepal) e Ásia Oriente Médio (Síria) Esses fluxos migratórios tendem a um crescimento sem precedentes na história. A Congregação é rápido para reorganizar em todas as suas dimensões (pastoral, formação, apostolado e administração), a fim de enfrentar os desafios que esta realidade ofertas.

Mas entrando em uma de um processo de reforma Histórico de pedidos 120 anos exige um monte de abertura por parte dos membros, uma paixão significativa para a missão, porque requer mudanças estruturais. A este respeito, a irmã Sandra Maria Pinheiro, Superior Provincial da Província de St. Paul, salientou que a reorganização da Congregação deve ser realizada como um movimento de renovação espiritual em vez de administrativa, com uma atitude de disponibilidade, um coração disponível para a busca da vontade de Deus e, pensando de volta para as estruturas para a missão.

Ainda de acordo com Pinheiro, esse processo de reorganização exige que todos tenham “uma aparência de girafa”. A girafa de pescoço grande pode olhar para cima e abrir-se para os horizontes. “Precisamos de um olhar que não exaure nosso pequeno mundo de medos e necessidades pessoais”, disse ele.

Para a irmã Sandra, reorganização “é uma oportunidade para reinventar a Vida Religiosa Consagrada para os nossos tempos, e assim recuperar o seu anúncio profético porque queremos servir mais e melhor para migrantes e refugiados.” Mesmo o conselheiro e para a formação e administração, Irmã Neuza Botelho dos Santos e Irmã Ana Conceição Sales, nno apresentou a estrada feita até agora nestas áreas, para a reorganização.

Presente em 27 países, os missionários scalabrinianos a intenção de reduzir o número de províncias, unificar os esforços em todos os setores para uma presença mais eficaz quando os fluxos migratórios são maiores. Estes dias eles se encontraram as irmãs pertencentes à Província de Aparecida, com com sede em São Paulo, que será incorporado em uma unidade das três províncias existentes no Brasil a partir de dezembro de 2018.

Fonte: Imprensa Scalabriniana

Comunidade aberta para responder a emergências fronteiriças Venezuela / Brasil

E ‘foi inaugurado em Pacaraima, cidade do Norte do Brasil, na fronteira com a Venezuela, uma nova comunidade de Irmãs Missionárias Scalabrinianas. A congregação, que desde a sua fundação lida com os migrantes, visa assim apoiar as famílias que estão chegando ao Brasil nos últimos meses porque a Venezuela é atingida por uma crise económica e social grave.

Há cerca de 50 mil venezuelanos, na verdade, você está pedindo ajuda para o Estado de Roraima, um dos 26 que compõe a federação brasileira. “Os migrantes estão buscando novas oportunidades na vida e no trabalho – explica Irmã Zenaide Ziliotto, superior da scalabriniano província ‘Maria, Mãe de migrantes’ – Damos-lhes oportunidades para aprender sobre o que eles podem oferecer ao Brasil e que você pode fazer quando você chegar aqui.”

Milhares chegam a Pacaraima, em uma jornada de cerca de 200 quilômetros. Eles andam um caminho que os vê viajar pela Avenida Panamericana que une os dois países. A Igreja e as Irmãs Missionárias Scalabrinianas estão envolvidos diariamente no serviço de alojamento e recepção, incluindo um pequeno-almoço diário é oferecido para cerca de 700 pessoas.

“Aqui em Pacaraima tem a Lampedusa do Brasil – acrescenta a irmã Zenaide – A cauda na fronteira é ótima. Eles vêm aqui para tentar encontrar um emprego e algo para comer. Eles vêm jovens, velhos, famílias, mulheres. É uma situação muito complexa “.

Brasil, reunião regional de conscientização no sul da Caixas

Entre os dias 27 e 28 de março, no Instituto San Carlo, em Caixas del Sud, Brasil, realizou-se um encontro regional para conscientizar as irmãs missionárias scalabrinianas. O objetivo era refletir sobre tópicos específicos sobre a reorganização e unificação das Províncias.

A Irmã Marileda Baggio, superiora provincial, deu as boas-vindas às irmãs, falando do caminho percorrido com coragem e esperança, confiando no amor divino que conduz as irmãs neste processo de reorganização, inspirado no episódio dos Discípulos de Emaús.

A Irmã Maria Helena Morra, da Congregação do Sagrado Coração de Maria, falou sobre vários temas e sublinhou a importância, no processo de reorganização, da mudança de mentalidade. Sessenta e cinco irmãs de diferentes comunidades participaram deste encontro.

Missionários, 24 de março em memória dos mártires

No dia 24 de março, haverá um dia em memória dos missionários mártires. Isso porque, em 24 de março de 1980, em El Salvador, monsenhor Oscar A. Romero, bispo da cidade, foi morto. Então foi decidido lembrar esse tipo de martírio, anualmente. A memória vai para aqueles que proclamaram o Evangelho e perderam suas vidas para fazê-lo. Para mais informações, visite www.missioitalia.it

O Serviço Itinerante, processo de reorganização da Congregação

O forte apelo do Papa Francisco ressoa em nossos corações por ocasião da celebração do Dia Mundial dos Migrantes e dos Refugiados de 2018. Os migrantes são hoje uma realidade cada vez mais presente em nossas vidas, na sociedade e na vida da Igreja. Impossível não admitir isso. Conflitos armados, guerras, desastres naturais forçam muitos homens, mulheres e crianças a deixar suas terras simplesmente para sobreviver. Aceitar assim torna-se um imperativo cristão que não podemos ignorar, mas precisamos ir além, precisamos nos acolher, promover e integrar, lembrando que por trás dos números há pessoas que vivem dramas e sofrimentos, que nos chamam e pedem nossa atenção. Como Irmãs Missionárias Scalabrinianas, o convite a estar com migrantes e refugiados, especialmente aqueles que vivem em situações de maior vulnerabilidade, não é uma opção; é para cada um de nós um dever, uma oportunidade privilegiada de viver e expressar a missão específica que Deus nos confiou.

Os desafios da migração estão muito além das nossas possibilidades. Mas estes são multiplicados se olharmos com generosidade, em vez de nossas possibilidades, para as necessidades dos migrantes.

O Serviço Itinerante, no processo de reorganização interna da Congregação, tem como objetivo promover um novo modo de presença, ação e experiência do carisma scalabriniano. Para avançar nesse processo, a Comissão Preparatória do Serviço Itinerante reuniu-se em Roma de 22 a 27 de janeiro de 2018, juntamente com o Governo Geral, para dar continuidade ao processo de reflexão e planejamento deste projeto e elaborar uma proposta de preparação. específico para as irmãs, de modo a qualificar nossa implementação com os migrantes e refugiados, que são para nós o rosto vivo de Jesus.

Queremos compartilhar com você o trabalho realizado nestes dias e dar algumas indicações sobre os próximos passos a serem feitos, para finalmente iniciar o Serviço Itinerante:

· Elaboração final do regulamento “ad experimentum”, integrando todas as contribuições recebidas dos governos provinciais, com base na reflexão que lhes foi solicitada:

· Extensa reflexão sobre a realidade migratória atual. Neste contexto, identificamos possíveis lugares onde o Serviço Itinerante é mais solicitado pelo clamor dos migrantes e onde a Congregação pode estabelecer acordos de parceria com outras instituições. Inicialmente, pensamos em países como: Nigéria, Indonésia, Índia, a fronteira entre a República Democrática do Congo e Angola, México, o êxodo dos venezuelanos (Roraima-Brasil e possivelmente em outros países) Lesbos-Grécia;

· Encontro e diálogo com os representantes dos Fundamentos das Irmãs do Bom Pastor e dos Irmãos Maristas para conhecer seu trabalho, como apoiam seus serviços congregacionais e compartilhar suas experiências na busca de recursos para a realização de seus projetos missionários. . Essas experiências são preciosas para nós na medida em que nos mostram maneiras possíveis de buscar ajuda para a realização do Serviço Itinerante.

· Reflexão sobre alguns possíveis métodos de preparação específica das irmãs, elaborando um plano que terá duas etapas:

1º curso on-line com tópicos que serão desenvolvidos por especialistas durante algumas sessões de estudo; aprendizagem de línguas, tanto no país de residência como de forma intensiva em vários outros países; experiências dentro das instituições que podem enriquecer a implementação das Irmãs no Serviço Itinerante

2ª- Uma reunião residencial: está prevista a realização de uma curta etapa intensiva com a participação de um grupo de freiras. Durante esta reunião, juntamente com a contribuição de consultores especializados, haverá a troca de experiências e o aprofundamento dos temas de estudo.

 

O Serviço Itinerante quer ser um ícone visível da fé das Irmãs Missionárias Scalabrinianas, expressando o amor de Deus ea decisão professou publicamente a dar a vida no serviço evangélico e missionário dos migrantes e refugiados. Com alegria, podemos dizer que temos uma absorção significativa de freiras que se inscreveram, bem, como muitos outros que suportam este serviço, isso mostra como o espírito missionário está vivo nos corações das irmãs e da Congregação.

Seja na África, na Ásia, na América ou na Europa, o Serviço Itinerante estará presente em nome de cada Irmã da Congregação das Irmãs Missionárias Scalabrinianas. Especialmente aqueles que estão presentes nas várias missões, como aquelas que, através da oração que oferecem seus sacrifícios e dor e cansaço, todos participando na missão de acolher, proteger, promover e integrar os migrantes e refugiados que Deus nos confiou.

O trabalho que a comissão realizou até agora é, sem dúvida, incompleto, pois ainda estamos em fase de construção. Somos motivados pela convicção de que “ao longo do caminho” o processo contribuirá para melhorar e adaptar o Serviço às circunstâncias dos tempos e lugares. Em qualquer caso, nos atrevemos a começar, a partir, como “Igreja cessante”, em direção a migrantes e refugiados.

Consideramos muito importante a reunião do Superior Geral e do Conselho com os governos provinciais Congregação, a ser realizada em Chicago em abril de 2018, quando será estudado, analisado e tomado a decisão tendo em vista a realização das atividades.

Agradecemos a todas as irmãs e jovens em formação que rezam e apoiam a implementação desta proposta aprovada pela IX Assembléia Geral da Congregação (2016), relativa ao Serviço Itinerante MSCS. Nossas irmãs que já estão no céu nos ajudam a sermos sempre mais missionárias e audazes testemunhas do amor de Deus, com migrantes e refugiados.

Por intercessão do bem-aventurado João Batista Scalabrini, a Santíssima Assunta Marchetti e do Venerável Servo de Deus Giuseppe Marchetti contamos com esse processo para o Senhor, pedindo para fortalecer o nosso caminho, a fim de dar respostas novas e mais e mais adequadas aos apelos de nossos irmãos migrantes e refugiados.

Em San Paolo, encontro sobre reforma e novas necessidades de migrantes

A crescente mobilidade dos seres humanos em todo o mundo levou a uma atitude radical Scalabrini Missionários de reforma dentro da Ordem para melhor atender às necessidades de migração de endereço e abrigo. As alterações entrarão em vigor em dezembro deste ano. A fim de continuar este processo, as Irmãs Scalabrinianas da Província de São Paulo encontrou no Centro Profissional São Carlos, na cidade de Aparecida-SP. O evento começou na tarde deste sábado dia 10 e terminou no dia 12.

De acordo com um relatório apresentado pelo chefe da missão da Província da irmã de St. Paul Janet Ferreira (Organização Internacional para as Migrações), América do Sul contém cerca de 5.826.400 imigrantes aqui para geográfica, ambiental, política e ditada pela crise atividade econômica global. os dados também revelam uma feminização da migração, uma vez que 50,9% dos deslocados são mulheres, seguido por 17,7% dos jovens com menos de 20 anos de idade e 16,5% daqueles com mais de 65 anos.

Os países da América Latina que receberam o maior número de migrantes são a Argentina, com 2 milhões, a Venezuela, 1,4 milhão, e o Brasil, com 713 mil emigrantes. Estes são de Haiti, Cuba, Venezuela, Equador, países africanos (Senegal, Congo, Angola, Moçambique, Nigéria, entre outros), Ásia do Sul e Sudeste (Bangladesh, Paquistão, Filipinas, Índia, Nepal) e Ásia Oriente Médio (Síria) Esses fluxos migratórios tendem a um crescimento sem precedentes na história. A Congregação é rápido para reorganizar em todas as suas dimensões (pastoral, formação, apostolado e administração), a fim de enfrentar os desafios que esta realidade ofertas.

Mas entrando em uma de um processo de reforma Histórico de pedidos 120 anos exige um monte de abertura por parte dos membros, uma paixão significativa para a missão, porque requer mudanças estruturais. A este respeito, a irmã Sandra Maria Pinheiro, Superior Provincial da Província de St. Paul, salientou que a reorganização da Congregação deve ser realizada como um movimento de renovação espiritual em vez de administrativa, com uma atitude de disponibilidade, um coração disponível para a busca da vontade de Deus e, pensando de volta para as estruturas para a missão.

Ainda de acordo com Pinheiro, esse processo de reorganização exige que todos tenham “uma aparência de girafa”. A girafa de pescoço grande pode olhar para cima e abrir-se para os horizontes. “Precisamos de um olhar que não exaure nosso pequeno mundo de medos e necessidades pessoais”, disse ele.

Para a irmã Sandra, reorganização “é uma oportunidade para reinventar a Vida Religiosa Consagrada para os nossos tempos, e assim recuperar o seu anúncio profético porque queremos servir mais e melhor para migrantes e refugiados.” Mesmo o conselheiro e para a formação e administração, Irmã Neuza Botelho dos Santos e Irmã Ana Conceição Sales, nno apresentou a estrada feita até agora nestas áreas, para a reorganização.

Presente em 27 países, os missionários scalabrinianos a intenção de reduzir o número de províncias, unificar os esforços em todos os setores para uma presença mais eficaz quando os fluxos migratórios são maiores. Estes dias eles se encontraram as irmãs pertencentes à Província de Aparecida, com com sede em São Paulo, que será incorporado em uma unidade das três províncias existentes no Brasil a partir de dezembro de 2018.

Fonte: Imprensa Scalabriniana

Ir. Lucia, uma das 100 brasileiras mais influentes em saúde

A Irmã Scalabriniana Lucia Boniatti é uma das 100 pessoas mais influentes do Brasil. É o que surge de um prêmio organizado pelo Grupo Mídia de São Paulo. Irmã Lúcia é diretora do Hospital Mãe de Deus em Porto Alegre, segundo hospital da América Latina e antes da Região.

“Trabalhar para acolher é a nossa filosofia da congregação, para que todos possam ser acolhidos de uma maneira humana – ele explica – temos excelentes médicos, mas queremos ter certeza de que o ser humano seja bem-vindo em sua totalidade. Isso vai na direção de criar empatia por seres humanos frágeis que buscam ajuda. O amor cuida mais do que a medicina: a ciência existe e faz o bem, mas nada excede o amor, a atenção, a compunção e a presença “. O hospital Madre di Dio opera desde 1979 e tem 380 leitos. É um dos lugares pioneiros na luta contra o câncer no Brasil.