Posts

LIbia: Exodus dala Tunisia

Tunisi- “ Al campo migranti di Qasr Bin Gashsir si sta per consumare una carneficina, con cinquecento migranti, bambini, donne e uomini, che ormai da sei giorni sono senza cibo e con scarsissime scorte d’acqua. Oggi pomeriggio le forze di polizia del governo di Tripoli sono arrivate al campo e hanno provato a trasferire i migranti nel campo di Zintan. Quelle donne e quegli uomini si sono rifiutati di salire sui pullman e hanno chiesto di essere immediatamente evacuati dalla Libia. Sul piatto di questa trattativa che l’Europa finge di non conoscere, quelle persone hanno messo le loro vite”: è il racconto di Michelangelo Severgnini, il fondatore della piattaforma Exodus, che ormai da quasi un anno raccoglie in diretta le voci e i volti dei migranti africani diventati schiavi nei lager libici.

Il campo di Qasr Bin Gashsir si trova esattamente sulla linea di fuoco dei combattimenti tra le forze di Tripoli e l’esercito del generale Haftar. “Dopo una lunga trattativa con i poliziotti libici – continua Severgnini, che ha raccolto le testimonianze direttamente dai migranti bloccati a Qasr Bin Gashsir – quelle persone hanno scelto di non salire su quei pullman che avrebbero dovuto attraversare le aree dei combattimenti. Sono donne e uomini allo stremo delle forze, chiedono disperatamente di essere salvati dall’Europa e si oppongono all’ennesimo trasferimento forzato nell’ennesimo campo dove le loro vite sono appese alla volontà dei carcerieri”.

“O meu sonho é ter uma bicicleta e linhas para fazer pipas”

POR ROSINHA MARTINS
DE SÃO PAULO – SP

As crianças fazem a diferença no mundo da migração e do refúgio. Pelas minhas lentes as vejo como a alegria, a simplicidade, aquele algo que todo imigrante ou refugiado adulto carece fora do seu país. Enquanto seus pais me falavam sobre os desafios de viver fora da própria terra, dos medos e das esperanças, com lágrimas nos olhos, atitude própria de um adulto que leva a vida a sério, elas sorriam, corriam como se o novo lugar não lhes fosse estranho. E talvez não seja mesmo.

As crianças em qualquer lugar que estejam preenchem o ambiente de paz, de serenidade. Elas são capazes de nos fazer levitar quando o fardo está muito pesado. Por isso que Jesus, dizia que o Reino dos Céus é delas.

Ao me deparar com uma criança imigrante ou refugiada, olhar nos seus olhos sempre atentos no horizonte, nunca baixos; contemplar a sua naturalidade e espontaneidade, me pergunto se sentem ou não o peso da migração. Devem sentir, mas de forma diferente dos adultos. O mundo da criança é magico, divertido e mais feliz.

Mas Abraão, 10, me tocou de maneira especial. Em primeiro lugar porque contagia com a simpatia e leveza. Quando cheguei no pátio, – ele, que já me conhecia, porque fui ao aeroporto buscá-los quando chegaram em São Paulo há mais ou menos um mês –já me olhou sorrindo e me disse:

“Para que time você torce? ”
“Adivinha.”
“São Paulo? ”
“Nãoooo”, disse-lhe.
“Corinthians?”
“Simmm”, respondi. Nesse momento ele sorriu, e me apertou a mão.

“Eu também sou corintiano. Sabe que eu fui palmeirense por 6 meses, mas depois percebi que ele perdia muito e passei a ser corintiano. É um time muito bom”, me disse.

Esta é outra razão pela qual fiquei ainda mais próxima do Abraão. Deixando de lado o timão, o que mais me chamou a atenção são os sonhos que Abraão tem por agora. Sonhos tão fáceis de se tornarem realidade e que lhe fará uma criança feliz: ter uma bicicleta para correr no pátio e linha para soltar pipas, algumas das suas brincadeiras preferidas na Venezuela. Basta somente um pouco de boa vontade humana para que ele tenha o que deseja. Com a palavra, Abraão:

Vivo momentos felizes junto a qualquer criança, porém aquelas refugiadas e imigrantes me tocam de maneira particular: elas são protagonistas da sua própria história e de uma nova história. Elas me ensinam muito. Sinto que me torno mais humana e mais adulta quando me deixo tocar por elas. Um presente de Deus.

Como Abraão chegou em São Paulo
Abraão, Valentina, Gabriel, Rafael, e tantas outras crianças chegaram em São Paulo com seus pais, os quais por meio do projeto “Caminhos de solidariedade”, com sede em Roraima, foram acolhidos pelas Scalabrinianas na Casa Madre Assunta Marchetti.

 A vida em São Paulo
Os pais, todos os dias, desde as 7 da manhã, já começam a jornada pela procura de emprego. As crianças, vão para a escola. Algumas participam do Projeto Conviver na Casa Madre Assunta e outras estudam em escolas do Bairro.

Hora de ir para a escola
Abraão não titubeia para se levantar cedo com o irmãozinho e correr para a escola Annita Atala, onde estuda pela manhã. Não posso me esquecer de dizer que ele ama estudar, além da paixão pelo futebol. “Eu gosto de morar aqui também porque tem a escolinha de futebol”, comemora feliz.

Para fazer doação para o Abraão e as outras crianças:
imprensascalabriniana@gmail.com ( Irmã Rosinha Martins)
Fone: Irmã Dirce: 11945097653
E você sabia que, qualquer pessoa de boa vontade pode participar do projeto Caminhos de Solidariedade, acolhendo famílias? Veja:

Mais informação acesse caminhos de solidariedade (Clicka)

Imagens: Rosinha Martins

Venezuelanos que vão para São Paulo recebem orientações sobre protocolo de viagem

Nesta sexta-feira, dia 08, às 14h, os membros do projeto Caminhos de Solidariedade da Cáritas Diocesana de Roraima – como de praxe – realiza roda de conversa com os imigrantes que viajarão para São Paulo, no auditório da Instituição, na avenida Nossa Senhora da Consolata, 1529, centro.

Antes do embarque, o grupo de imigrantes passam por uma roda de conversa, por duas horas de duração, a fim de tomar ciência de como será a estadia e acolhida em São Paulo.

Em SP, o grupo terá acompanhamento de assistência social, orientação jurídica, espaços de formação e encaminhamento para renovação de documentos e na medida do possível um inserção laboral. “Neste espaço onde Madre Assunta habitou e idealizou para ação social de suas irmãs, continua nesta caminhada até os dias de hoje, e é com esse espírito que será feita a acolhida”, frisou o representante do Comitê Gestor do Projeto, Roberto Saraiva, durante recente visita ao local de acolhimento.

Um grupo de 15 venezuelanos embarcarão em voo comercial para a casa de acolhimento organizada pelas irmãs Missionárias Scalabrinianas. A viagem está agendada para o dia 17 de fevereiro.

O espaço de acolhida está situado na Casa Madre Assunta, propriedade da Congregação, na Rua do Orfanato – Vila Prudente – São Paulo, Capital.

A nova casa dos migrantes funcionava uma escola municipal, com seis salas grandes, cozinha, lavanderia, banheiros. Está preparada para acolher a seis famílias com uma média de cinco membros cada.

Segundo a irmã missionária Janete Ferreira, mscs, o tempo de acolhida será por três meses. “A organização está prevista para oferecer alimentação, alojamento, apoio para conseguir trabalho, atividades com as crianças com idade acima de 05 anos, aula de português”, comentou.

Para a articulação ao mercado de trabalho, será responsável uma irmã Scalabriniana que é assistente social e que acompanhará o processo das famílias na busca de trabalho e espaços de integração.

Janete conta que na Casa Madre Assunta atende cerca de 120  crianças migrantes e/ ou carentes que participam do Projeto Conviver. “Desenvolvemos atividades educativas de contra turno: música, dança, artes, entre outras. As crianças das famílias que vamos acolher, que estejam na faixa etária a partir de 5 anos, estarão sendo incluídas no projeto”, enfatizou.

Neste processe de acolhida, as irmãs contam com o apoio do Serviço Pastoral do Migrante – SPM, do Movimento Leigo Missionário Scalabriniano – LMS, da Associação Educadora Beneficente – AEB e pessoas individuais que estão fazendo doações.